Total de visualizações de página

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013



Tristeza

Toda A tristeza do mundo
Não cabe no universo
Eu canto a vida
Em  cantos leves
Canto em prosa
Canto em verso!
Toda a saudade do mundo
Não cabe em um cartão
Escrevo em mim,
Rabisco sonhos
Rabisco histórias
De solidão!

Fatinha, só Fatinha...


quinta-feira, 17 de janeiro de 2013


 Divagando!

Com a cabeça na lua
eu ando sonhando alto
vivo fases , ando nua!

com os pés plantados no chão
esqueço o sonho que tive
 depressa como o meu pão! 

com o olhar nas estrelas
não perco o rumo dos sonhos
trafego na contra mão!

mas é com a ponta dos dedos
que escrevo o meu poema
e vivo minha paixão!

Fatinha, só Fatinha...


quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Em busca...

o léxico que tenho em mim
é impronunciável, quando estou em ti!
Palavras são sons arquejantes,

 de nossas almas amantes... 
Busco em teu cálice o doce néctar
que suspiros me fará dobrar,
mãos cálidas de carícias plenas
em que a palavra não pode alcançar...
ah! mas abrande um pouco
essa loucura toda...a cachaça acabou
e o dia de ontem ainda se faz anunciar!
Estou perdida nessa noite de céu plúmbeo,
minha metamorfose há de chegar!
Encanto de alma , que se faz cega essa noite,
em que um vento brando fustiga as lembranças
somente papeis , no vento um açoite...
levando pra sempre essa tal esperança!
rasgada no sangue que verto de um dedo
cortado em descuido, de um tal grande amor,
Me chupo o sangue e adeus meu segredo
com ele se vai toda minha dor!
Na medida de uma coisa certa,
mas a incerteza permeia minha reta
que desperta essa contenda em meu ser!
Quero ser , para mim primeiro,
esse amor verdadeiro....
sem máscara , sem prejuízo, sem desculpas
Quero ser eu, antes de nascer em mim, essa loucura 
que no toque certo, se transforma em mim...ternura!!!

fatinha , so fatinha...

Brisa...

E uma brisa lenta e morna
em mim tocou de mansinho
me atropelou a alma
em mim fez redemoinho!
Cantei sonetos com ele
e dormi devagarinho
abraçada ao travesseiro
que em meu corpo faz carinho!

Fatinha, so Fatinha...









Estrelas...

Que encanto teria a vida
Se não houvesse as estrelas?
cor  plúmbea talvez
Céu apático sem beleza!
E uma manhã
Com o  sabor
de margarida  pisada,
e quem sabe   o carinho
de uma noite inventada!

Fatinha, só Fatinha...


segunda-feira, 14 de janeiro de 2013



Milagres!

Se teu pensamento 
encontra-se em  um vácuo 
deixa-o partir para ilusão
fabrique algum sonho 
em solo estéril,
procura teu segredo
Numa  estação!
Produza seus  milagres
ainda que mínimos,
na doce  inocência 
em terra vã...
Deguste-os com sabor 
de festa , vida...
na longa estadia da manhã!!!

Fatinha, só Fatinha...



 Paixão...

Eu sou assim esse sonho
encontrado ao reverso
sou a música que componho
sou o inverso do teu verso.
Sou  o mar sem sintonia
sou paixão, sou agonia
sou uma fase do luar!
sou canção sem estribilho
sou uma mãe, sem ter filho
sou um peixe sem ter mar!
Sou o espaço entre teu ser
sou meu ser , ao te querer
sou a gana de matar.
Sou a boca sem ter fome
sou o norte de teu nome
sou verbo , sem conjugar!
Sou então o desatino
da carência, o destino
na loucura da paixão!
Sou o fel de minha boca
gritando teu nome insone,
em noites de solidão!!!

Fatinha, so Fatinha...

domingo, 13 de janeiro de 2013



Sozinha...

Mão estendida
flores partidas
sozinha estou!

Sonho partido
sonho esquecido
nada restou!

Fatinha , so Fatinha...








 A Palavra...

Sem a  palavra
não escrevo  poesia!
sem  a palavra
 não te encontro 
fantasia...
Sombra da noite 
noite , sem dia
sem a palavra! 
eu me acabo, agonia!!
A palavra que procuro 
e não encontro
foi-se a tempo
do meu parco português
em outra língua
não a encontro
nem entendo
sem a palavra
 eu te perco
de uma vez!
Onde encontro-a 
ou não encontro-a 
eu não sei...
Só  recordo que a uni
 a solidão,
a palavra então perdida
foi só sonho,
que um dia 
escrevi em minha mão!!!

Fatinha, so Fatinha





                                    



terça-feira, 8 de janeiro de 2013











Tua mão!

Tua mão em minha mão
Escreveu versos!
Em meu corpo
 tua mão fez poesia,
em minha pele
 encontrou-se , sem reservas
em minha  alma fez -se cânticos
de alegria!
Tua mão me conta histórias
De amor
Quando desce em meu dorso
A palmilhar
O meu corpo , que se entrega
Sem pudor.
Em tua mão, que faz magia
Ao me tocar!

Fatinha, so Fatinha...

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013







Poema triste!

Sem ti,
Sou   só uma  parte de mim!
Dedo em riste
Pra meus ais tão tristes!
Desconecto a melancolia
E coloco-a sobre a mesa
Com uma certeza,
Será devorada
Na hora da sobremesa!
Com essa fome voraz
Que me trás
A gula de engolir,
Essa tal tristeza
Para depois
Parí-la, em versos,
talvez complexos,
dispersos
e então  cantá-los
sem sorrir
em um sonho morno,
onde espero,
perca-se por ai!

Fatinha, só Fatinha... 




Queria...

Queria dizer-te não,
Mas disse sim..
E o sim feriu minha alma!
Queria dizer-te sim,
Mas disse não,
E o não,
Não me trouxe calma!
Queria café com pão
Lua e amor
E  nesse querer
Não houvesse dor!
Queria que meu querer
Não fosse assim,
Mais do que quero
Queria que teu querer
Fosse por mim
Mais do que espero!

Fatinha, so Fatinha...