Total de visualizações de página

terça-feira, 28 de maio de 2013


Tempo...

Passa boi , passa boiada 
passa vida a cada instante
passa tempo , tempo passa
passa tudo num rompante...
Vida boa , vida má
não importa a condição
tempo passa, passa tempo
em longiqua estação...
ontem eu era menino
o tempo por mim passou
levou tudo que eu tinha
mas a saudade deixou
num tempo que passou rápido
num rápido passar de tempo
que alcança , inverno ou verão
passa tão rapidamente
quanto lua no sertão...
Meu amor era pequeno
o tempo por ela passou
levou-a para uma estação
que nunca mais retornou
choro por coisas perdidas
por tempo não choro não
pois ele me tem detido
na palma de sua mão!!!

Fatinha, so Fatinha...



segunda-feira, 27 de maio de 2013




Poema incompleto...


Plantei uma batatinha
no meu jardim...
nasceu então um poema
 dentro de mim
mas falta um pedaço
dessa canção
falta algo maior
na composição...
se é noite vislumbro a lua
se é dia admiro o céu
mas quero ser um  poema
bandeirinha de papel
que enfeita noites de festa
sempre em grande salão
que dá cores , sonhos vidas
e baila na imensidão...
Quero ser poema novo
não em livros de estantes
mas aqueles que tem vida
lidos a qualquer instante...
Quero gosto de sorvete
expresso em minhas estrofes
girar em grande circuito
viajando do  Sul ao Norte.
Quero fantasia azul
no meu poema papel
palavras mágicas escritas
 que voem ate o céu
Quero ser mar, oceano
desse viver inconstante
ser poesia e fazer
a vida interessante
Quero depois disso tudo
deitar e adormecer
abraçada com o poema
que me tornei para você!!!!


Fatinha , so Fatinha...





Perdão Senhor!

Hoje venho pedir-te perdão Senhor:
pelo dia que não vivi,
viajei em ondas sombrias,
em festas vulgares,
em mesas de bares
em bocas escuras
de cheiros estranhos
sem amor, uma falsa  alegria...

Perdão Senhor, pelas
feridas que abri
em corações
que só queriam me ver bem, feliz...
Não vi a chuva caindo
não vi a lua que nascia
não senti do Sol o calor
por que na vida , eu só me perdia!

Ah , Senhor...precisou meu coração chorar
para perdão eu te pedi,
Por que disse não ao amor/
Por que não enxerguei
 a beleza da flor
a mão estendida
a dor que eu me causava
abrindo feridas....
Mas a noite triste passou
e no dia que se fez, te encontrei
em forma de Amor!


Vem Senhor...me resguarda
em teu colo acolhedor
me perdoa e me ajuda
 e que jamais eu cause dor!!!

Fatinha, so Fatinha...







Transformação!
Droga...
Minha vida era uma festa, de falsa alegria.
Em ti meu sorriso doce se escondia
O dia escurecia...
E anunciava angústia e melancolia.
Por que me davas, um muito sem nada.
E minha vida se estagnava... e escorria
Pelas mãos, numa paixão por ti conturbada,
Exasperada plantada no cheiro acre e podre
De tua escravidão...
Mas meu Jardineiro, Aquele que plantou
minha vida na Terra, de ti não se alegrou
e me socorreu num momento de dor !
E  tornou a me plantar, me regando e amando...
Deu-me a chance de encontra-lo
Num campo florido
De amigos e amor
Amor de verdade,
Amor com valor
Sem escravidão
Sem  medo , sem morte ,
Sem jogo de azar, ou de sorte...
E por isso estou aqui
Sorrindo e dizendo obrigada Senhor
Já não sou um escravo, sou livre em Ti
Teu amor me salvou!
Fatinha, so Fatinha...